Entrevista: Paulo Dantas

RedeAPLmineral conversou com o empresário e premiado da categoria: Inovação, qualidade e produtividade do Prêmio CNI 2008, Paulo Dantas, durante a apresentação do Plano de Desenvolvimento do APL Cerâmica Vermelha de Russas-CE ao GTP-APL no último 26 de novembro, em Brasília.

RedeAPLmineral: Como você analisa as reuniões do GTP-APL?

Paulo Dantas: As reuniões do GTP-APL para a apresentação de Planos de Desenvolvimento são muito importantes, especialmente, para os gestores dos planos, que têm a oportunidade de conhecer e trocar informações de projetos com pessoas que trabalham em outras atividades econômicas no mesmo estado ou até em estados diferentes. Isso possibilita a abertura para novas idéias e cria um clima positivo de intercâmbio.

RedeAPLmineral: Você pode dar um exemplo dessa troca de informações?

Paulo Dantas: Por exemplo, na apresentação dos APLs de Pernambuco e Ceará, ocorrido no último dia 26/11, os representantes do APL de Móveis de Marco-CE trataram de um problema que eles estão enfrentando lá, que é o resíduo da produção dos móveis. Veja, o resíduo da produção de móveis está virando um problema ambiental local, mas talvez esse passivo moveleiro servisse de matriz energética alternativa para os ceramistas da região. 

RedeAPLmineral: Como eles poderiam trabalhar junto?

Paulo Dantas: Uma idéia seria aproveitar o resíduo da produção dos móveis como combustível para os fornos dos ceramistas. Estaríamos transformando o problema ambiental de um segmento econômico em uma solução econômica do próximo, reduzindo impactos ambientais, agregando valor aos produtos, e abrindo mais leques para a inclusão sócio-econômica. Esse é um exemplo do tipo de sinergia que pode acontecer. A carência de um segmento econômico pode ser uma solução para outro segmento muito próximo. Claro que qualquer passo nesse caminho exige estudos profundos sobre viabilidade, sustentabilidade, etc.

RedeAPLmineral: Você estudou bastante o ramo de cerâmica e elaborou o projeto do Forno Cedan. Conta nos um pouco sobre essa experiência?

Paulo Dantas: Comecei com o projeto piloto em 2000. Em 2002 fizemos o primeiro protótipo em parceria com a Finep. A idéia inicial era a de aproveitar o calor gerado em uma célula do forno para aquecer outras células, e assim, aumentar a eficiência na queima dos produtos. Com esse conceito inicial conseguimos construir um forno que pode reduzir em até 75% a quantidade de material queimado. Por exemplo, se um forno convencional queima um milheiro usando 2 metros cúbicos de lenha, o Cedan pode fazer o mesmo trabalho com até 0.7 metros cúbicos. Aliado a isso, o forno Cedan permite uma reciclagem em até 80% do calor gerado pela queima, e pode transferir até 90% do calor para estufas. A temperatura final da fumaça que sai do chaminé gira em torno de 80° C o que facilita a lavagem dos gases, reduzindo a emissão de poluentes.

RedeAPLmineral: O forno é acessível aos produtores que estão em APL?

Paulo Dantas: A queima é a etapa mais importante da produção e com o Cedan atingimos 95% de peças de 1ª qualidade, aumentando a lucratividade. Em comparação com os fornos mais tradicionais que tem no mercado o preço do Cedan está muito em conta. Hoje, já temos 15 fornos funcionando no país inteiro. Em estados como a Bahia, Rio Grande do Norte, Paraíba e Santa Catarina. Acredito que por isso ele tenha sido premiado pela Finep e também, recentemente pela CNI.  

RedeAPLmineral:  Conte nos um pouco mais da atividade cerâmica que vocês desenvolvem em Russas?

Paulo Dantas: Russas contêm a maior concentração de produção da cerâmica vermelha do nordeste, contando com 88 indústrias, que produzem em torno de 45 milhões de peças/mês, 95% delas telhas. Trabalhamos mais com a telha por ela ser um produto que tem um maior valor agregado se comparado com o tijolo e o bloco, além de ser mais leve, o que facilita o seu transporte a distâncias maiores. Essa produção representa cerca de 24% do PIB do município. O faturamento estimado em 2008 é de R$ 40 milhões.

RedeAPLmineral: Quem são seus parceiros locais?

Paulo Dantas: Nosso maior parceiro no estado é o IEL. No setor cerâmico o empresário tem de cuidar de tudo: produção, administração, gerenciamento, vendas ... então ele não tem muito tempo para se aprimorar e melhorar sua empresa. No nosso estado o IEL entrou exatamente aí, dando apoio ao produtor com informações, treinamentos e etc. O comitê gestor do núcleo estadual de apoio aos APLs é formado pelo IEL-CE, Nutec, CIDADES, Secitec-CE, Sebrae-CE, Banco do Brasil e Asterussas. E com o apoio de todos já temos 36 empresas trabalhando juntas.

RedeAPLmineral: Como essa sinergia foi trabalhado com os produtores?

Paulo Dantas: Com a união conseguimos contratar um geólogo e um contador que trabalhe para todos os associados, e assim reduzindo custos . Os empresários estão trabalhando junto para sanar seus problemas. Estão se reunindo em pequenos grupos para adquirir máquinas etc. Aos poucos o empresário começa a perceber que o seu vizinho que trabalha no mesmo ramo não é o concorrente direto. Estamos aprendendo a trabalhar em conjunto para resolver questões que são importantes para todos. Acredito que essa cultura fortalece o negócio de todos.


Fonte: RedeAPLmineral