III Congresso Brasileiro de Rochagem

O Brasil é um dos maiores produtores de alimentos e biocombustíveis do mundo, porém, ao mesmo tempo, é altamente dependente da importação de matérias-primas para a fabricação de fertilizantes, sendo que, atualmente, o atendimento da demanda se dá por meio de 70% de importação desses insumos,o que acarreta inúmeras consequências tais como custos de produção elevados e perda de competitividade, além de vulnerabilidade diante de outros países. Além desses aspectos de conjuntura macroeconômica, outros também devem ser considerados, em especial o fato de que essas matérias-primas são finitas, não renováveis e escassas.

Aliado a isso, nas condições brasileiras (agricultura tropical e subtropical)o emprego de fontes de alta solubilidade resulta em baixa eficiência de uso, ainda que um conjunto de práticas agrícolas esteja sendo adotadas de forma integrada em larga escala (sistema plantio direto, plantas de cobertura, fertilizantes de liberação lenta, plantas eficientes no uso dos nutrientes, agricultura de precisão – uso racional de fontes solúveis, irrigação, entre outras).

Data: 08 A 11 DE NOVEMBRO DE 2016
           PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL

Acesse a Circular aqui.
Informações adicionais poderão ser solicitadas no seguinte e-mail: congresso.rochagem@gmail.com
Fonte: MCTI